quarta-feira, março 01, 2006


Errar é mau?! Não creio. O que é mau é não admitir os erros. É deixar para depois um pedido de desculpas, é ser-se para amanhã na eminência de o ser hoje e agora. Toda a gente erra, toda a gente tem momentos que se arrepende futuramente. Mas aquilo que nem toda a gente tem é a capacidade de se prostrar perante isso. Frustrante e ridículo não é errar, é fazer de isso uma tortura, é magoar os outros gratuitamente e depois andar aí com cara delambida.
As desculpas existem para ser o remendo daquilo que se faz de forma impulsiva e muitas vezes feroz. Devia existir uma espécie de boletim que carimbasse as pessoas perante a sua capacidade de se redimir. Talvez assim, o mundo fosse melhor… Não compreendo as pessoas com orgulho doentio, que embora sabendo que não agiram da melhor maneira, são incapazes de dar o braço a torcer. Caramba!!!
Quando somos crianças, possuímos honestidade e frontalidade, aleada a uma deliciosa dose de ingenuidade. Estas características deveriam ser eternamente conservadas à medida que vamos crescendo. Mas não. Aquilo que resta em algumas pessoas é uma frieza incalculável, é uma distância que faz delas uma presença dispensável.
Se as pessoas não errarem uma, duas, três… vezes, nunca vão poder aprender a fazer de novo, a reconstruir. Existem as pessoas que fazem falta e aquelas que passam indiferentes ao mundo e a elas mesmo. As primeiras são aquelas que nos fazem apreciar os erros, porque graças a elas o mundo vai evoluindo e errando de forma saudável. São elas que fazem isto valer a pena, pois a sua essência é indescritível. Quanto às segundas, não deve haver uma penúria maior do que passar por cá de forma indiferente a nós mesmos. Por isso, acham-se no direito de agredir tudo e todos à sua volta, por questões idiotas. Como se isso não bastasse o mais grave é que possuem uma arrogância perturbante, onde a palavra desculpa, está interdita. Qual é o mal de admitir um erro, de passar para além da sua hostilidade?!
Ai… a minha noção se gente é bem diferente. Passa por questões tão banais como a simples compartilha de uma barra de chocolate, de respeito mútuo. Se o mundo fosse habitado por um único ser, os erros e as desculpas não fariam sentido. No entanto, o outro não é apenas mais um, mas sim aquele que nos faz ver as coisas num outro prisma. Como tal, não merece um sincero pedido de desculpas?! Pois, talvez. Talvez viver seja um pouco mais do que olhar para o umbigo
. Sim, talvez...

2 comentários:

Dani disse...

Bom post sem dúvida, um bom tema e acima de tudo uma boa argumentação para fomentar a tua maneira de ver a vida. Agora dando a minha opnião: partindo da premissa inquestionável, o ser humando erra, chega-se a conclusão que o ser humano tem que saber interagir com o erro, visto que ele acompanha-nos em toda a vida. Eu não apoio aquela teria que diz: "as desculpas não se pedem, evitam-se", quanto a mim as desculpas são para ser usadas qunado não houve hipótese para evitar-mos o erro, e temos que ser humildes o suficiente para aceitar os nossos erros e pedir desculpa. Para além disso é o erro que nos permite evoluir como pessoa, é com ele que aprendemos a não fazer "a mesma merda" duas vezes seguidas, ou por outras palavras só a fazemos se quiser-mos.
Resumindo aprendam que errar não é necessáriamente algo negativo, mas sim algo que nos ajuda a evoluir como pessoa.

Sem mais me despeço... uma beijoca*, continua com os bons posts

Dani

Anônimo disse...

É pena haver adultos que não tenham a metade da Maturidade que demonstras teres ao escrever os teus Post´s. PARABENS!!! Conseguiste abordar um tema dificil, de uma forma muio directa, e conseguiste o resumir o suficiente sobre o tema da culpa que tantas vezes nos martiriza, e das desculpas que tantas vezes as adiamos ou tentamos ignorar.
A tua escrita é excelente, e consegues surprender sempre pela positiva, com a diversidade de temas que abordas.

Continua a brindar-nos com post´s destes. É um presente que ofereces aos teus Leitores!!!!

Continua ASSIM!!!!