sábado, novembro 12, 2005

Tónica comichosa

Se quando eu era miúda, queriam impingir-me um clube, agora “o jogo” de gente grande parece ser a política. Sinceramente, esta faz-me lembrar, em muito, aquelas corridas de cavalos típicas dos ingleses, em que cada um faz a sua aposta e espera lucrar com ela. Caso corra bem, terá acima de tudo o grande prémio, um duo irrecusável: dinheiro e prestigio.
Nestas espécies de apostas, parece valer tudo, mas aquilo que lhes dá alento, é o espicaçar mútuo, aquele como direi “olhar de esguelha”, um sentimento de repúdio em relação a tudo o que se prenda com o inimigo. Sou bombardeada, ciclicamente, com aqueles comícios de campanha, é inevitável assistir a toda uma catrefada de falácias, agressões linguísticas, dedos firmos e hirtos prontos a apontar para o alvo bem definido: “o inimigo”, e muitas outras situações caricatas, onde cada um diz o que quer e se contradiz. Assisto a uma anarquia pura e completa. Naqueles frente a frente, mais do que célebres, esgrimem-se argumentos, rejeitam-se teses, tudo com palavras muito bonitas que chegam a ser comoventes (que emoção!). Muitas vezes, depois de todo este discurso, fica por responder aquela pergunta: mas afinal tanta conversa para dizer o quê?!
De facto, é esse “quê” que se tem visto muito pouco. Toda uma série de cartazes e propagandas a valorizar este ou aquele, na hora da verdade, não são mais que promessas, e como diz o povo: “promessas leva-as o vento”. É verdade que cada um terá os seus ideais, as suas opções. Agora, uma coisa é discutir, outra é fazer, construir, avançar. Esta é uma realidade ainda mais indissociável, porque traduz o plano utópico vs realidade cruel, o eterno grito de clemência. Este oxímoro permanece desde a antiguidade, precisamente por isso, porque não passa de uma contradição aparente. O wegener, se hoje fosse vivo, correria o sério risco de ver a sua teoria aplicada a este país, porque esse sim anda gravemente à deriva.

Faz-se política para depois se voltar à idade da pedra, ou mesmo à infância, pois tal como os miúdos se esgotam em choro e aos berros, com birras e teimosias; assim se vão apoiando certas conveniências_ só porque fica bem ao estado e à nação_ nas quais os responsáveis se vêm refugiar nos outros, por não serem capazes de suportar sozinhos actos inconsequentes, em que se almeja tudo e acaba por não se ter NADA!.

Se a cada pessoa evolui desde a idade da pedra, a humanidade, na sua globalidade, parece ter estagnado de forma irritante. Isto é o retrato do "salve-se quem puder"!, onde é muito bonito, que teoricamente, que aplique políticas muito construtivas, mas na prática...!
Por tudo isto e muito mais sou apartidária. Não é propriamente pelas políticas de cada um, mas pela própria política, que no fundo não é muito diferente.

Vou-me estrear daqui, a não muito tempo, nestas andanças. Confesso que não tenho qualquer vontade de me esmerar para, pelo menos, tentar (sim porque não passa disso), fazer um voto consciente. Isto porque por muito vasto que seja o leque, a diversidade é nenhuma, e portanto consciência aqui, apenas soa bem, nada mais. Não concordo de todo que se deva votar pelo partido na sua globalidade, mas avaliando, independentemente, cada candidato.

Acusam os jovens muitas vezes de estarem virados para outros horizontes, menosprezando a política e tudo o que seja uma espécie de "muito sério e comprometedor". Porém, acho que se esqueçem que tem de haver um incentivo ao cultivo de tudo isso, e quando esse incentivo falta, que é quase sempre, não se pode exigir que estes aprendam a gostar daquilo que os políticos profissionais, ou profissionais da política (como queiram), nem mesmo esses sabem o que é, e a prova está à vista!

Em suma, o tal "jogo" de gente grande, resume-se facilmente num ditado popular muito célebre: "na casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão"!

2 comentários:

David TU SABES KEM SOU! disse...

wegener, se hoje fosse vivo, correria !!!!!!!!!!! FRASE BRILHANTE so pa dzr k estaria a correr com o elvis e a marlin, GANDAS MALUCOS!!!!!!!!agr a serio essa tua mania de escrever melhor que eu vai dar direito a um premio ARRRRGGGGGRRRRRR (CABEÇADA) o texot ta altamente e tenho por ultimo uma coisa a dzr: VIVA O BENFICA PODEMOS PERDER MAS E POR CAUSA DO GOVERNO!!!!!!!!!!!!!!! SLB4live(e perguntam vcs: PK E K A CULPA E DO GOVERNO?)ao k eu respondo: PK NAO ZELAM PELA MAIOR INSTITUICAO DO MUNDO E DEIXAM ARBITROS CEGOS,PARALITICOS E HOMOSSEXUAIS ou seja dexa k s goze kom akilo k d melhor tem neste pais...FIM ah!bjssss para ti O VERDADEIRO FIM

Anônimo disse...

Bem... aqui consegues expressar o Estado de Espirito da Maioria dos Portugueses!!! Na verdade, ja não conseguimos olhar para nenhum politico sem desconfiança... e é exactamente isso que transmites...
A unica coisa que te posso pedir, é para continuares e escrever estes artigos Lindissimos e profundos que escreves... Axo que tens o Dom da escrita... e daqui a algum tempo acho que vou ter uma amiga escritora reconhecida pela sua fabolosa maneira de escrever, e a pela sua capacidade em passar para palavras os Sentimentos... PS: Só te peço (eu e mts outros) para continuares com o teu Blog!!!!
Beijinho grande e continua assim...